terça-feira, 30 de agosto de 2011

Aprender com os erros


Existem algumas manifestações psicológicas que se repetem mais na sociedade, como por exemplo as negações que é a ação de dizer que o ocorrido não é, exatamente, da forma como se vê. A transferência que é colocar no outro questões que me dizem respeito e o assunto que começo nesse texto: a desvalorização pessoal.

Obviamente, não se constrói uma personalidade de desvalorização pessoal do nada, para um ser humano chegar nesse nível de auto-destruição ele foi forjado para tal desde muito cedo. Perceba que aqui não falo de baixa-estima, estou indo além desse conceito. Porque autoestima é percebida, mas a desvalorização pessoal nem sempre.

Para diferenciar, a autoestima faz com que estejamos de bem conosco, sentimos bem e radiante e acabamos por atrair situações boas. Perceba que aqui não corroboro a ideia de pensamento positivo, vai além disso, todos temos o direito de pensar negativo, isso não atrai nada, mas se comportar negativamente sim. Reafirmando mais uma vez: aqueles que já amadureceram suficientemente para reconhecer o próprio valor pessoal consegue ter uma autoestima equilibrada e ter alguns pensamentos negativos que vão sendo rebatidos ao longo dos acontecimentos.
 
Mas a desvalorização pessoal como foi forjada não diante de um ou dois pensamentos negativos, mas uma enxurrada de nãos que vieram sempre contra você, acaba por formar uma personalidade. Como já dito com a maturidade, acaba-se por reforçar a autoestima e pensamentos positivos a respeito de si mesmo, pelo menos a maioria das pessoas...

No entanto, muitas vezes ainda fica oculta a desvalorização pessoal e mais uma vez vamos estabelecer a diferença: pode-se ter bons sentimentos a respeito de si mesma, estar de bem com a vida, as situações estarem fluindo... Mas dentro de você ainda existe um sentimento muito forte de desvalorização pessoal e este não irá aparecer em todos os momentos, muito menos em todas as situações, mas em determinadas ocasiões, quando você menos espera: BAM, ele está lá!

Por vezes, não se percebe o quanto nos mostramos desvalorizadas ao outro, para nossa impressão, porque nossa autoestima está bem, parece que estamos no alto da valorização. Mas nem sempre é assim, no fundo de nós existe algo dizendo: não exija muito, faça o que a outra pessoa quer... E sem perceber, estamos completamente desvalorizados aos olhos do outro e nem ao menos vimos.
 
Vamos dar como exemplo um relacionamento... Ele nem te encanta, mas ele começa a fazer tudo para te ter. Você não está interessada, foge dele como o diabo da cruz. Ele acaba por se fazer presente, surge no trabalho, em sua casa, via redes sociais e vai te cercando... Até que, meio sem muitas oportunidades você dá uma chance! Contra todas as expectativas, não é que foi legal? E sem menos perceber, você que antes era toda hesitante, agora se entrega de cabeça. Mas não percebe, para você que já é amadurecida você pensa: estou sendo madura e sóbria nesse relacionamento.

E porque se pensa isso, já que tudo prova o contrário? Porque, silêncio, vou falar baixinho para ninguém ouvir, porque ninguém sabe desse segredo seu. Bem, você pensa que está em um relacionamento adulto e que tudo está bem, porque diante de tudo o que você viveu, sem dúvida, esse foi o seu melhor momento, o mais completo.

O que você não tem possibilidades de enxergar ainda é que, também, esse é um relacionamento de migalhas... Mas é tão mais do que tudo o que você viveu, sim, é, mas lembre-se você não vê, mas ainda o que te domina é a desvalorização pessoal. Porém, você está tão agradecida de alguém, finalmente, gostar de você que dentro de você não tem nenhuma resistência. 

Então, ele que te cercava, já nem chega mais nos horários marcados, sabe que você irá perdoá-lo. Não te manda nenhum e-mail carinhoso, ele já tem por certo que toda manhã terá sua caixa de entrada cheia de promessas românticas. Medo de te perder, não existe mais, você já foi caçada e não é mais nenhuma novidade para ele. 

No entanto, você ainda afirma que os sentimentos dele por você são os mesmos, nada mudou e vou mais fundo... Você não está se autoiludindo, você vê desse jeito, ninguém teve a coragem de te confrontar para dizer: acorda, Cinderella, o mundo não é um conto de fadas. Isso porque você chegou até o nível de amadurecimento onde pressupõe que um homem fará tudo para ter você ao lado dele. Mas ninguém te ensinou que há mais depois disso, talvez a culpa seja dos contos de fada mesmo, que ensinam que depois do príncipe resgatar a princesa eles serão felizes para sempre.

Não é verdade, relacionamento é construção e não existe felizes para sempre, existe troca todos os momentos, crescimento até que se chegue, talvez, ao final da vida junto daquele que escolhemos. E não é falta de exigências, a completa falta de exigências é só sinal de desvalorização pessoal porque para que duas pessoas diferentes se junte é necessário acordos e isso é feito em todos os momentos.

O importante aqui não é se culpar porque pensava que estava no auge da valorização pessoal, mas não estava, parece que voltou a estaca zero. Não pense assim, perceba que a vida é um constante aprendizado e aprender com os erros é edificante, traz crescimento e alegria no caminho. Portanto, se descobriu que não está se valorizando, mude e passe a se valorizar de verdade, olhe dentro de si mesma e descubra quem é você e curta muito essa pessoa real que você é.
Margareth Sales

Um comentário:

  1. Gosto de ler seu blog porque parece q vc escreve p/mim.

    ResponderExcluir